HojePR

HOJEPR LOGO
Siga no WhatsApp
Pesquisar

24/07/2024

karin romanó

Antigos comércios de Curitiba

comércio

Este era o prédio das Ferragens Hauer.

Foi construído em 1888 e os proprietários eram os irmãos Francisco e Augusto Hauer. Localizado atrás da Catedral, na Rua José Bonifácio.

Pegou fogo há cerca de quase 30 anos e só sobrou a casca externa.

Em 2015 foi restaurado e fizeram um lindo trabalho.

As pessoas fazem confusão porque do outro lado da Praça Tiradentes tem tambem o Palacete José Hauer, um majestoso edifício erguido entre 1898 e 1901, onde se vendia igualmente ferragens e outras mercadorias.

Hoje o mesmo está alugado para as Lojas Riachuelo e o prédio pertence à família Frischmanns.

Quem construiu o prédio do outro lado da praça (não aparece na foto) foi José Hauer – o primeiro integrante da Família Hauer que emigrou da Alemanha para Curitiba. Após seu estabelecimento na cidade, promoveu a vinda de 12 de seus 14 irmãos.

O interessante é que nas primeiras décadas de 1900 era bem comum as grandes lojas de Curitiba como José Hauer, Casa Porcellana, Casa Glaser, Casa Schmidt, …fazer a importação e vender uma grande variedade de produtos. Por exemplo:

Vendiam bicicletas, trigo importado da Argentina, secos e molhados, máquinas de costura, porcelanas, cristais, armas de fogo e até munição, drogas (li uma vez que vendiam morfina na Casa Schmidt), bicicletas, sementes e até alfafa para os cavalos. Tudo em um mesmo estabelecimento.

Penso que como todos os produtos eram importados (fora a alfafa) e essas lojas tinham o dono que falava bem outro idioma (como o alemão geralmente), ele mesmo ou outro parente de confiança viajava, escolhia e comprava os produtos na Europa providenciando o envio correto para Curitiba pelos navios.

Como não tinha telefone (DDI), internet, a negociação se fazia pessoalmente pois através de cartas seria muito demorado e complicado.

Na foto , minha mãe aparece de costas caminhando.

Leia outras colunas da Karin Romanó aqui.

1 Comentário

  • Conhecendo a belga Curitibaatraves da Karin

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *