HojePR

HOJEPR LOGO
Siga no WhatsApp
Pesquisar

24/07/2024

Coronel Malucelli defende a privatização da Petrobras

fetranspar

Em artigo “É hora de falar de privatização da Petrobras”, o coronel Malucelli, um dos maiores representantes do setor de transporte de cargas do Paraná e do Brasil, pede por mudanças drásticas na Petrobras e na política de preço do setor. “O Brasil precisa deixar de ser refém de uma política injusta de preços. Por isso cresce no setor de transporte de cargas rodoviário uma sensação de que algo mais concreto necessita ser adotado, além das trocas constantes de presidentes da petroleira: a privatização da Petrobras é assunto que cada vez mais se ouve em coro por quem trabalha no transporte. Abrir o mercado significa libertar toda a sociedade deste mal que coroe a renda de pessoas e empresas”, afirma.

Segue abaixo o artigo do coronel Malucelli.

 

É hora de falar de privatização da Petrobras

Nos últimos tempos estamos assistindo desesperadamente nossa renda mensal se desfarelar, mês a mês, caindo em um abismo que parece não ter fim. Muito disso tem a origem na política de reajustes praticada pela Petrobras, que ao mesmo tempo se autointitula “orgulho dos brasileiros”, mas que ao mesmo tempo esfola os filhos da Pátria com preços incompatíveis nos combustíveis, altas praticadas conforme o sabor do dólar no mercado internacional. Aliás cobra-se em dólar, mas a Estatal paga suas contas em Real.

Tudo por uma busca constante de um lucro diário de 1 bilhão. Hora, já passou-se do tempo de tomar medidas mais enérgicas. O setor de transporte de cargas rodoviários que tem no diesel seu principal fator de custo no frete, já não tem mais para onde correr. Para alguns, a saída é encerrar os negócios. Muitas das alternativas sugeridas pelo setor aos poderes executivos estaduais e federal com apoio do Legislativo, foram adotadas. Outras ainda estão em fase de análise e votação.

Mas, quando parece que as coisas vão se assentar, aí vem a petroleira e taca-lhe mais um aumento estarrecedor. O de 14,26% foi recebida com muita preocupação pelo empresariado paranaense, uma vez que o diesel é o principal custo na composição do frete para quem atua na área de transportes de cargas.

É um absurdo ver a economia não só do transporte de cargas ir por água abaixo, mas também do trabalhador, das famílias, das empresas dos diversos segmentos do setor produtivo. Esse discurso de que se aumenta devido ao dólar já está ultrapassado e não cola mais.

O Brasil precisa deixar de ser refém de uma política injusta de preços. Por isso cresce no setor de transporte de cargas rodoviário uma sensação de que algo mais concreto necessita ser adotado, além das trocas constantes de presidentes da petroleira: a privatização da Petrobras é assunto que cada vez mais se ouve em coro por quem trabalha no transporte. Abrir o mercado significa libertar toda a sociedade deste mal que coroe a renda de pessoas e empresas.

Particularmente sou a favor desta alternativa. A Petrobras, por exemplo, pode vir a ser dividida em cinco empresas e privatizada imediatamente. Nada explica a insistência da empresa em manter sua política de dolarização dos preços dos combustíveis. Ela é uma das maiores produtoras de petróleo do mundo e tem um dos mais baixos custos de extração de óleo bruto.

Com uma possível privatização, outras distorções poderiam ser corrigidas como a questão do monopólio, que aliás é uma incongruência, pois ao mesmo tempo em que se está sozinha no mercado, ela mesma define seus preços. O controle reajuste dos combustíveis tem que ser feito pela ANP – Agência Nacional do Petróleo, de forma que o assunto possa ser tratado com a devida seriedade.

Enquanto o coro cresce em favor de uma privatização, medidas mais enérgicas precisam ser tomadas no ‘agora’, para que o setor de transporte de cargas não venha a falir. Além das ações já adotadas pelos poderes executivo e legislativo é preciso que o Governo Federal, que recebe a maior parte dos dividendos da Petrobrás, utilize-se deste montante para subsidiar os combustíveis.
Essa seria uma medida de alento, prática e que poderia segurar as consequências dos seguidos aumentos da Petrobras até que o mercado do petróleo no Brasil possa ser aberto, fazendo com que uma política mais justa de reajuste de preços possa ser adotada.

Coronel Sérgio Malucelli

1 Comentário

  • Muito bom parabens Coronel.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *