HojePR

HOJEPR LOGO
Siga no WhatsApp
Pesquisar

12/07/2024

ELEIÇÕES 2022

Entrevista HojePR: Adriano Teixeira quer fim da polícia e criação de milícias populares

O funileiro e historiador Adriano Teixeira, candidato ao governo pelo PCO, pretende adotar uma política mais a esquerda caso seja eleito: vai implantar propostas impactantes, como o fim das Polícias e a criação de milícias populares para garantir a segurança da sociedade. O armamento também é defendido por Teixeira. O candidato do PCO quer também lutar pela estatização de empresas privadas.

Essa é a penúltima entrevista que o HojePR faz com os candidatos. Antes vieram Roberto Requião (PT), Ratinho Junior (PSD), Professora Angela Machado (PSOL) e Vivi Motta (PCB). Nosso compromisso é com o eleitor e, dessa forma, mantivemos o foco das perguntas nas propostas que cada um tem para o futuro do Estado.

O portal pediu, também, que o candidato gravasse um vídeo se apresentando ao eleitor e explicando suas motivações para concorrer ao cargo de governador. O HojePR entende a correria do dia a dia de uma campanha eleitoral e, dessa forma, compromete-se a incluir no portal os vídeos que, porventura, sejam encaminhados com atraso.

Confira o vídeo de apresentação com Adriano Teixeira e também a sua visão e propostas para o Paraná.

 

 

HojePR – Qual é a sua proposta para a geração de emprego e renda. Apesar do Paraná ter um índice de empregabilidade alto, houve queda significativa da renda. Caíram as rendas das classes mais baixas e classe média, entre 12,5% a 21%, de acordo o IBGE.

Adriano Teixeira – Bom, o PCO tem um programa claro para geração de emprego o Estado, primeiro a redução da jornada de trabalho, sem diminuição do salário. Com a redução da jornada de 40 para 35 horas semanais, teríamos um aumento significativo no numero de vagas de emprego. Na geração de renda o partido propõe um aumento de pelo menos um salário no mínimo para o auxilio emergencial. Ampliação do bolsa família. Nesse momento de acordo com o Dieese o salário-mínimo de todo brasileiro deveria ser de mais de 7.000 reais e isso que queremos para todos trabalhadores.

 

HojePR – Qual é a sua proposta para o setor de pequenas e médias empresas? Há a possibilidade de redução de impostos?

Adriano Teixeira – Nosso Partido defende a estatização de todo sistema financeiro nacional. Defendemos um banco estatal único. As pequenas e médias empresas devem ser financiadas e ajudadas diretamente pelo governo, empresas essas que devem estar sob o controle dos trabalhadores. Redução imediata do imposto sobre o consume e os salários. Imposto somente sob o ganho dos grandes capitalistas e grandes fortunas.

 

HojePR – Qual é a sua estratégia para compensar a perda de arrecadação causada pela redução do ICMS da gasolina? 

Adriano Teixeira – Primeiro que temos que expulsar todos os acionistas estrangeiros que tomaram de assalto o petróleo brasileiro, pós golpe de estado de 2016. A Petrobrás deve ser totalmente estatal e suas riquezas e lucros usados diretamente em função da população brasileira. Todo lucro deve ser revertido para o povo. Tem que acabar com a paridade de preço do petróleo nacional com o dólar internacional. Essa medida de paridade é que afeta diretamente no bolso da população. Esse crime foi implantando contra o povo brasileiro pelo golpista ilegítimo temer e continua com o governo de Jair Bolsonaro.

 

HojePR – O que você pretende fazer com o pedágio? Acha que o atual acordo será menos prejudicial ao Estado do que aquele firmado pelo governador Jaime Lerner?

Adriano Teixeira – Para nosso partido pedágio é um absurdo, um roubo direto contra o trabalhador. Rodovias e estradas não devem ser tratadas como privilégio, é uma estrutura fundamental, de utilidade pública, portanto se é público não deve existir pedágio nenhum. A população paga muito alto de impostos dos carros, toda uma burocracia gigante para ter o veículo registrado e legal, não se deve pagar nada pelas vias e estradas, impostos de veículo, inclusive que devem ser extintos ou diminuir de forma significativa.

 

HojePR – A Agricultura ainda carece de infraestrutura, em especial, da porteira para dentro e nas estradas de ligação com a malha rodoviária. O que fazer? E quais são os seus planos para o escoamento de safra, pensando em todos os modais de transporte?

Adriano Teixeira – Investimento nesse setor deve ser primordial. Todo sistema de transporte no país é de interesse do povo. Portanto deve ser tratado organizado e produzido pela população e tudo sob o controle do Estado.

 

HojePR – E há a necessidade de modernizar as empresas de extensão, cujo modelo continua muito focado às demandas das cooperativas, deixando uma parte dos produtores sem ações específicas para atendê-los. O que pode ser mudado? E qual é a política para a melhorar a segurança alimentar do Estado, que deixou de plantar alimentos para a mesa das famílias das cidades? E qual é a política agrícola para as áreas declivosas (concentradas na região central e no Norte Pioneiro e parte do Sul e Sudoeste)?

Adriano Teixeira – Bom, primeiro precisamos de uma reforma agrária urgente, terra tem que ser para quem nela planta e trabalha. Não somos contra produção em grande escala, porém essa produção não deve servir apenas para exportação, temos que atender primeiro a necessidade da nossa população. A expropriação do latifúndio é questão urgente não apenas no estado como no país inteiro. Com o golpe de estado, a concentração de terras tem tomado proporções catastróficas, isso é preciso acabar. A política agrícola deve concentrada em estudos e desenvolvimento tecnológico de primeira ponta, como dito, primeiro para o povo depois exportação, isso tudo sob o controle do estado organizado pelos trabalhadores.

 

HojePR – O Paraná sempre veio num crescente de melhorias na Saúde. No entanto, a regionalização ainda é um gargalo. Mesmo com a entrega de obras iniciadas em 2016 e entregues nessa gestão, há vazios na Saúde como, por exemplo, na região Central, Sudoeste, Norte Pioneiro e o extremo limítrofe do Noroeste, do Norte, Oeste e Leste. Como fazer chegar novos equipamentos para esses pontos e também a medicina de média e alta complexidade, com equipamentos modernos e médicos especialistas?

Adriano Teixeira – Nosso partido defende que a saúde seja de qualidade e pública. O golpe de Estado de 2016, orquestrado pelos capitalistas e pela burguesia nacional e internacional tem destruído pouco a pouco tudo que é público no país, na saúde não é diferente o objetivo dos golpistas é privatizar tudo que é público, devemos organizar a população para reverter o regime golpista, expulsar os lacaios do imperialismo de nosso país. Investimento no setor deve ser amplo, aumento de hospitais, médicos, enfermeiros, etc. É preciso urgentemente recontratar todos os médicos cubanos que o governo produto de uma farsa jurídica (Bolsonaro) expulsou do Brasil em mais uma ação criminosa contra o povo. Por fim as universidades devem abrir vagas e mais vagas para novos médicos, e formar profissionais na produção de equipamentos modernos e etc.

 

HojePR – É a lei estadual 18.662/2015 que atualmente determina o tamanho do efetivo da Polícia Militar (PM) no Paraná. A norma elevou de 27.329 para 27.948 o número máximo de servidores da corporação. Seriam 22,7 mil vagas para o policiamento e 5,2 mil para o Corpo de Bombeiros. Esses números nunca chegaram a ser alcançados. E o mesmo acontece com a Polícia Civil, que tem efetivo enxuto. Como fortalecer o efetivo policial, que hoje trabalha no limite, sendo muito mais reativo que preventivo?

Adriano Teixeira – No programa do nosso partido defendemos o fim da instituição. Nosso modelo de segurança pública é que ela deve ser organizada pela população, de cada rua, de cada bairro, de cada comunidade, pessoas eleitas pelos moradores e se necessário, destituídos também próprios moradores. Os moradores devem conhecer esses “policiais” eles devem ser pessoas próximas da população. A instituição como está organizada hoje, não passa de um braço armado do estado que massacra a população, uma verdadeira maquina de matar preto e pobre. Aterroriza o povo.

 

HojePR – O que pode ser mudado dentro da Segurança Pública paranaense para diminuir a quantidade de crimes de roubos, assassinatos e feminicídio? E como combater também o crime contra a população LGBTQIA+?

Adriano Teixeira – Para além das milícias populares no lugar das polícias, nós defendemos o armamento geral da população e a organização dos comitês de autodefesa, das mulheres da população LGBT e todas as outras minorias.

 

HojePR – E qual é a estratégia para fortalecer a segurança dos produtores rurais de roubos e furtos de maquinários, insumos e produção?

Adriano Teixeira – População armada e comitês de autodefesa. A organização das milícias populares devem ser iguais seja no campo e na cidade.

 

HojePR – A evasão escolar, registrada em 2021, atingiu cerca de 100 mil alunos do ensino médio e cerca de 40 mil jovens do ensino fundamental. E a previsão, em 2022, é que essa mesma margem seja alcançada, segundo levantamentos da ong Todos pela Educação e o IBGE. O que tem provocado essa grande evasão e como reverter esses números aumentando o número de jovens na escola?

Adriano Teixeira – Esses números têm aumentado significativamente pós golpe de Estado de 2016. A juventude tem sido esfolada pelo neoliberalismo selvagem. O único meio que os jovens têm tido para sobreviver é muitas vezes trabalhar em dois empregos. A carestia dos alimentos a falta de bolsas e investimento na educação ajudam no aumento dos números contra a juventude. É preciso reverter tudo isso. Primeiro colocando um fim no regime golpista atual. Por outro lado, investimento massivo na educação na formação e educação de jovens e adultos também.

 

HojePR – O ensino técnico foi terceirizado na atual gestão, tornando um híbrido de aulas online e aulas presenciais. Diversas escolas se rebelaram com esse modelo, voltando a prática de aulas presencial e com o uso de laboratórios e aulas práticas. Qual é a visão sobre ao atual modelo e qual é a sua proposta?

Adriano Teixeira – É um absurdo completo. Esse é um dos motivos da evasão em massa dos últimos anos. Tudo isso fruto do golpe de estado. Como foi dito a intenção da burguesia que orquestrou o golpe no Brasil é sucatear todo o sistema público para privatizar e entregar nas mãos dos tubarões capitalistas. Sem contar as demissões de professores e trabalhadores desse setor que atinge níveis gigantescos. Somente o povo organizado é capaz de reverter esse descalabro que o segue o país.

 

HojePR – Qual é a sua estratégia para fazer com que o Paraná esteja na liderança do Ideb nos quatros anos de gestão?

Adriano Teixeira – Resumindo tudo que foi falado. Ensino público, aumento dos professores, universidades, creches e escolas em todo território nacional. E uma coisa também de extrema importância para os jovens e formação dos nossos profissionais, é o fim do vestibular. Mas para que isso aconteça é preciso derrubar o golpe de Estado, colocar o estado e tudo que é público nas mãos dos trabalhadores. Os lucros exorbitantes dos banqueiros, que são verdadeiros parasitas do estado, devem ser revertido para a população, dinheiro tem que ser empregado em tudo que é público.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *