HojePR

HOJEPR LOGO
Siga no WhatsApp
Pesquisar

24/07/2024

CRIME ORGANIZADO NA MIRA

PCC no Paraná e mais seis estados teriam movimentado R$ 5,5 bilhoes em cinco anos

aviao trafico pcc hojepr

A Polícia Federal deflagra a Operação Terrá Fértil, nesta terça-feira (2), nos estados do Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Bahia e Goiás.

O objetivo é desmantelar uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro e falsidade material e ideológica, ligada ao tráfico internacional de drogas.

As investigações indicam que o grupo, ligado ao Primeiro Comando da Capital (PCC) movimentou mais de R$ 5,5 bilhões em transações suspeitas.

Ação da polícia

Cerca de 280 policiais federais cumprem 9 mandados de prisão preventiva e 80 mandados de busca e apreensão, além de outras medidas cautelares, como sequestro de bens e bloqueio de contas, expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal da Comarca de Belo Horizonte, nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Bahia e Goiás.

As investigações revelaram uma complexa engrenagem montada pelo grupo criminoso e a grande quantidade de indivíduos interconectados, alguns deles com envolvimento com conhecida facção criminosa.

Narcotraficante

Um narcotraficante internacional e pessoas físicas e jurídicas a ele associadas faziam parte de uma rede que cometia diversos delitos, visando principalmente ocultar e dissimular o patrimônio proveniente da prática de inúmeros crimes, dentre os quais o tráfico internacional de drogas.

O homem já fora investigado em outras ocasiões pela PF e há suspeitas de que ele enviava cocaína para países das Américas do Sul e Central, com destaque para remessas a violentos Cartéis Mexicanos.

Durante as investigações, constatou-se que os envolvidos criavam empresas de fachada, sem vínculo de empregados no sistema CAGED, e adquiriam por meio dessas empresas imóveis e veículos de luxo para terceiras pessoas, assim como movimentavam grande quantia de valores, incompatíveis com seu capital social.

Sócios do crime

Os sócios das empresas geralmente não possuíam vínculos empregatícios a anos, alguns até receberam auxílio emergencial.

A PF também constatou que algumas das pessoas jurídicas efetuavam transações com empresas no ramo de criptomoedas e de atividades que não tinham relação com o ramo de negócio, o que leva a crer que os investimentos estivessem sendo usados para mascarar a origem ilícita dos valores.

Bilhões

Estima-se que o montante dos valores ilegalmente movimentados pela organização criminosa atinge a quantia de mais de R$ 5 bilhões de reais no período de pouco mais de 5 anos.

Leia outras notícias no HojePR.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *