HojePR

HOJEPR LOGO
Siga no WhatsApp
Pesquisar

22/07/2024

glenn stenger futebol

Não há milagre: resultado e dinheiro andam juntos no futebol

futebol

O comparativo que iremos fazer hoje é autoexplicativo. Nosso amado esporte, que cada vez mais precisa ser profissionalizado, traz resultados na exata proporção dos investimentos que são feitos.

Obviamente que gestões melhores conseguem trazer melhores resultados com o mesmo valor utilizado por outras equipes com orçamento parecido. O outro lado da moeda também é verdadeiro. Piores gestões também pioram resultados quando comparados aos resultados de equipes parelhas.

O comparativo abaixo mostra o total das receitas de 2023 de cada equipe e a classificação final no Brasileirão. Vamos lá, então:

  1. FLAMENGO: R$ 1.348 milhões (4º)
  2. CORINTHIANS: R$ 932 milhões (13º)
  3. PALMEIRAS: R$ 829 milhões (1º)
  4. SÃO PAULO: R$ 681 milhões (11º)
  5. RED BULL: R$ 488 milhões (6º)
  6. FLUMINENSE: R$ 481 milhões (7º)
  7. ATLÉTICO-MG: R$ 446 milhões (3º)
  8. GRÊMIO: R$ 431 milhões (2º)
  9. ATHLETICO: R$ 417 milhões (8º)
  10. SANTOS: R$ 407 milhões (17º)
  11. INTERNACIONAL: R$ 405 milhões (9º)
  12. BOTAFOGO: R$ 355 milhões (5º)
  13. VASCO: R$ 336 milhões (15º)
  14. FORTALEZA: R$ 259 milhões (10º)
  15. CRUZEIRO: R$ 243 milhões (14º)
  16. AMÉRICA: R$ 196 milhões (20º)
  17. BAHIA: R$ 177 milhões (16º)
  18. CORITIBA: R$ 170 milhões (19º)
  19. CUIABÁ: R$ 140 milhões (12º)
  20. GOIÁS: R$ 98 milhões (18º)

Não por acaso os quatro melhores colocados no campeonato estão situados na primeira parte de receitas da tabela. Não por acaso também, três equipes que tiveram o descenso decretado estão na parte inferior da tabela de receitas. Única exceção foi o Santos, mas há justificativa. Quando se analisam os números como um todo (não apenas a receita), a situação financeira do clube é crítica. Teve receita volumosa no ano, mas totalmente tomada pelos débitos que vem acumulando.

No mais, as classificações mais acima ou mais abaixo na tabela, ficam por conta daquela bola que bateu na trave e não entrou, daquele VAR que anulou um gol, daquele jogador que perdeu um gol imperdível ou do goleiro que praticou uma defesa milagrosa. As variáveis que o próprio esporte em si traz.

Estamos em junho. Apenas oito rodadas do campeonato e com ainda alguns jogos atrasados. Mas podem me cobrar ao final do ano. Os quatro primeiros colocados estarão entre os 10 maiores orçamentos e os quatro rebaixados estarão entre os 10 menores. Não há mágica, não há milagre. Futebol e dinheiro (investimento) tem resultados diretamente proporcionais.

Leia outras colunas do Glenn Stenger aqui.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *