HojePR

HOJEPR LOGO
Siga no WhatsApp
Pesquisar

16/07/2024

karla küster hojepr

Estou apaixonada pelo meu colega de trabalho. E agora?

colega

Muitas empresas evitam a contratação de cônjuges (casais em geral), algumas até proíbem esse tipo de contratação para evitar conflitos de interesse e protecionismos.

A contratação de casais é realmente complicada porque a empresa se sujeita a problemas de relacionamento e algumas vezes ao ter que demitir um, acaba por perder dois.

Mas e quando o relacionamento começa dentro da empresa?

Por mais que a empresa tenha suas políticas dificilmente alguém vai parar para analisá-las antes de se envolver com alguém, mas algumas empresas restringem drasticamente relacionamentos amorosos de seus colaboradores e o simples fato de um relacionamento começar, pode ser motivo para uma demissão.

Relacionamentos amorosos dentro do ambiente de trabalho podem acontecer.

O fato é que o relacionamento não pode afetar o desempenho ou a produtividade de um ou dos dois. A falta de foco pelo relacionamento não pode prejudicar a empresa.

Se os dois estão em posições hierárquicas diferentes ou se há uma relação de supervisão direta, o risco de conflitos de interesses é muito grande. Nesse caso podem começar a ocorrer promoções ou avaliação de desempenho injustas ou tendenciosas.

E se o relacionamento não der certo? O término do relacionamento pode ocasionar tensões, retaliações ou desconfortos para o ex-casal e para seus colegas.

O casal precisa ter claro que uma coisa não pode interferir na outra! Não dá para a empresa sofrer com discussões e conflitos pessoais como ciúmes dentro da empresa, o início de um relacionamento ou o término dele, não pode afetar o dia a dia da empresa.

A empresa precisa estar alerta a esses acontecimentos e sempre incentivar conversas claras sobre relacionamentos e como isso poderá interferir no ambiente de trabalho. Precisa ter um espaço para discutir questões de como evitar conflitos de interesse, manter a discrição e garantir que o relacionamento não prejudique a dinâmica da equipe ou o desempenho profissional de cada um.

Diretrizes que visem esse tipo de situação devem ser escritas e mais importante, devem ser constantemente divulgadas.

A empresa precisa ter um canal de comunicação através de seu RH e que deve:

1. Ter uma política clara sobre relacionamentos, assédios e discriminação e como proceder nesses casos;

2. Acompanhar os casos de relacionamento entre colaboradores e monitorar para que não ocorram conflitos de interesse e favoritismos;

3. Dar orientação sobre como lidar com o relacionamento dentro da empresa conforme as diretrizes;

4. Aconselhar sobre postura profissional;

5. Avaliar com muito cuidado, se trata-se mesmo de um relacionamento consensual ou se não é um caso de assédio ou discriminação no local de trabalho;

6. Dar treinamento regulares sobre conscientização, assédio e relacionamentos no local de trabalho;

7. Conscientizar os colaboradores sobre comportamentos apropriados, limites profissionais e as consequências de comportamentos inadequados;

8. Orientar supervisores e gerentes sobre como lidar com relacionamentos entre colegas;

9. Criar um canal de denúncia eficazes e confidenciais para que os colegas possam relatar preocupações ou violações de políticas relacionadas a relacionamentos no local de trabalho.

A empresa deve garantir um ambiente de trabalho saudável, seguro, inclusivo e produtivo, onde os relacionamentos entre colegas sejam gerenciados de maneira responsável e eficaz, sem prejudicar ninguém, nem o colaborador e nem os negócios da empresa.

Leia outras colunas da Karla Küster aqui.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *