HojePR

HOJEPR LOGO
Siga no WhatsApp
Pesquisar

12/07/2024

MÚSICA

Ed Sheeran é julgado por suposto caso de plágio de canção de Marvin Gaye

A seleção do júri e as declarações iniciais estão marcadas para começar nesta segunda-feira (24) em um julgamento que mistura Thinking Out Loud de Ed Sheeran com Let’s Get It On de Marvin Gaye.

 

Os herdeiros de Ed Townsend, coautor de Gaye do clássico soul de 1973, processam Sheeran, alegando que o hit de 2014 da estrela pop inglesa tem “semelhanças impressionantes” com Let’s Get It On e “elementos comuns evidentes” que violam seus direitos autorais.

 

O processo aberto em 2017 finalmente chegou a um julgamento que deve durar uma semana no tribunal federal de Manhattan, comandado pelo juiz Louis L. Stanton, de 95 anos. Sheeran, de 32 anos, está entre as testemunhas esperadas para depor.

 

Let’s Get It On é uma sexy slow jam que foi ouvida em inúmeros filmes e comerciais e acumulou centenas de milhões de streams, spins e reproduções de rádio nos últimos 50 anos. Thinking Out Loud, que ganhou um Grammy de música do ano, é uma abordagem muito mais conjugal sobre amor e sexo.

 

Embora o júri ouça as gravações de ambas as músicas, provavelmente muitas vezes, suas letras – e vibrações – são legalmente insignificantes. Os jurados devem considerar apenas os elementos brutos de melodia, harmonia e ritmo que compõem a composição de Let’s Get It On, conforme documentado em partituras arquivadas no Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos.

 

Os advogados de Sheeran disseram que a inegável simetria estrutural das canções aponta apenas para os fundamentos da música popular. “As duas músicas compartilham versões de uma progressão de acordes semelhante e desprotegida que estava disponível gratuitamente para todos os compositores”, disseram eles em um processo judicial.

 

Os advogados da família Townsend apontaram no processo que artistas como Boyz II Men realizaram mashups perfeitos das duas músicas, e que até o próprio Sheeran seguiu em Let’s Get It On durante apresentações ao vivo de Thinking Out Loud.

 

Eles tentaram reproduzir um vídeo do YouTube potencialmente contundente de uma dessas apresentações de Sheeran para o júri no julgamento. Stanton negou a moção para incluí-lo, mas disse que iria reconsiderá-lo depois de ver outras evidências apresentadas.

 

O espólio de Gaye não está envolvido no caso, embora inevitavelmente haja ecos de seu processo bem-sucedido contra Robin Thicke , Pharrell Williams e TI sobre a semelhança de seu hit de 2013 Blurred Lines com Got to Give it Up (1977), de Gaye.

 

Um júri concedeu aos herdeiros de Gaye US$ 7,4 milhões no julgamento – posteriormente reduzido por um juiz para US$ 5,3 milhões -, tornando-o um dos casos de direitos autorais mais significativos das últimas décadas.

 

A gravadora de Sheeran, Atlantic Records, e a Sony/ATV Music Publishing também são apontadas como rés no processo Thinking Out Loud. Geralmente, os demandantes em processos de direitos autorais lançam uma ampla rede para nomear os réus, embora um juiz possa eliminar quaisquer nomes considerados inapropriados. Neste caso, no entanto, a coautora de Sheeran na música, Amy Wadge, não foi nomeada.

 

Townsend, que também escreveu o hit doo-wop de R&B de 1958 For Your Love, era cantor, compositor e advogado. Ele morreu em 2003. Kathryn Townsend Griffin, sua filha, é a autora do processo.

Para mais notícias acesse HojePR.com

(Foto: Reprodução)

(Associated Press) 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *