HojePR

LOGO-HEADER-slogan-675-X-65

19/04/2024



Sem Categoria

Restauração

 Restauração

Uma das mais maravilhosas artes é a da restauração de obras de arte. Na minha opinião, é ser coautor, principalmente no caso de obras muito antigas, envelhecidas e danificadas. Tarefa perigosa e de muita responsabilidade. Conhecimento? Nem se fala!

 

Já tive algumas obras restauradas, na maioria das vezes conservação e limpeza. Já sempre foi surpreendente receber a obra de volta, no seu melhor! Nesse momento, estou vivendo uma linda e emocionante experiência. Herdei uma Nossa Senhora que foi presenteada a meus pais, por minha avó paterna, Dna. Zulmira, com a recomendação de que, na falta deles, a imagem passaria para a filha mais velha, que (por sorte) sou eu. Quando a recebeu, uma Nossa Senhora do Rosário (sem rosário), meu pai tratou de pegar cotonetes, e sentado à mesa de jantar, cuidadosamente limpou tudo o que foi possível, cada dobrinha das figuras e do panejamento das vestes, o pequeno Menino Jesus no colo da Virgem, os anjinhos aos pés da imagem, mas foi só, amante da beleza e da arte tinha a consciência de não ter conhecimento suficiente para se aprofundar na tarefa. Na ocasião, muitos anos atrás, eu já tinha ficado curiosa sobre como ela poderia ficar, se pudesse ser mesmo limpa, pois via-se que tinha sido repintada. Mas lá ficou ela, na sala de visitas, sobre uma linda peanha de madeira que tinha sido esculpida por um artesão aqui de Curitiba, de quem não me recordo o nome. A santa ficou por anos abençoando a família. Restaurar é buscar reencontrar as características e o valor original da obra, cuidar para que não se perca a cultura da qual faz parte.

 

Em processo de restauração

Foi por um acaso, que já em minha casa atual, a imagem teve oportunidade de passar às mãos da nossa restauradora e minha amiga, Suely Deschermayer. Desde que chegou até ela, tenho ficado maravilhada acompanhando o processo de restauração. O carinho, competência e amor da Suely pelo seu ofício são contagiantes. Seu trabalho, desenvolvido há mais de trinta e cinco anos, baseia-se nas mais modernas tecnologias de conservação, adotando critérios de análise minuciosa, documentação geral e fotográfica de todas as etapas, baseando-se na ciência e tecnologia específicas para cada obra, independentemente de seu valor de mercado. Com uma equipe especializada, e em constante treinamento, busca sempre preservar e respeitar o original da obra, honrando as normas internacionais. Suely, na busca dos melhores padrões surpreende seus clientes, sempre dentro das normas éticas de trabalho, segue os conceitos de restauração em vigor.

 

Com o tempo, evoluindo no restauro da minha imagem, Suely descobre, a cada camada retirada cuidadosamente da antiga obra, tesouros nunca antes imaginados, cores, detalhes sutis que nos aproximam do escultor que a criou. Descobriu onde foi feita, qual o grupo de escultores a que pertencia seu autor, numa busca muito acima das minhas expectativas. Temos tido momentos de imensa alegria, é como uma caça ao tesouro.

 

Deixo, aqui, declarada a minha admiração pelo trabalho dos restauradores, que trazem de volta à vida obras que poderiam ficar escondidas por trás da poeira do tempo. Cumprimento-os na pessoa da Suely, que tão bem representa esses, por mim denominados, coautores que enriquecem o mundo das artes, contribuindo com seu conhecimento, dedicação e muita responsabilidade.

 

Leia outras colunas da Elizabeth Titton aqui.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *