HojePR

LOGO-HEADER-slogan-675-X-65

08/02/2023



Sem Categoria

Rejeição a Lula e Dória cresce, diz pesquisa

 Rejeição a Lula e Dória cresce, diz pesquisa

A última pesquisa eleitoral divulgada pela Paraná Pesquisas revela que a rejeição às candidaturas de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e João Dória (PSDB) cresceu, enquanto a do presidente Jair Bolsonaro (PL) recuou.

 

Segundo o levantamento, 46,5% dos entrevistados respondeu que não votariam, “de jeito nenhum”, em Lula. Na pesquisa anterior, divulgada em janeiro, esse índice estava em 45,8%.

 

Já o governador de São Paulo sempre apareceu como o mais rejeitado nas pesquisas do instituto. Em janeiro, 64,3% dos entrevistados disseram que não votariam em Dória de jeito nenhum. Agora o tucano acumula uma rejeição de 66% dos que responderam à pesquisa.

 

Na contramão dos candidatos de oposição, Bolsonaro teve uma leve queda na rejeição. Segundo a pesquisa de janeiro, 56,3% dos entrevistados responderam que não votariam no presidente. Já no levantamento mais recente, esse índice baixou para 54,1%.

 

O ex-juiz Sérgio Moro (Pode) manteve o índice de rejeição na casa dos 44%, enquanto Ciro Gomes (PDT) também teve, assim como Bolsonaro, uma queda: em janeiro aparecia com 54,3% e agora tem 49,8% de rejeição.

 

Segundo o presidente da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, os índices de rejeição vão mudar muito a cada pesquisa. “A rejeição dos candidatos oscilou dentro da margem de erro. Cada dia é uma nova realidade. Esse levantamento, por exemplo, foi produzido antes do aumento dos combustíveis. Se fizermos uma nova pesquisa hoje, seguramente a rejeição ao Bolsonaro vai subir”, avaliou Hidalgo.

 

A pesquisa foi realizada de 3 a 8 de março de 2022. Foram 2.020 entrevistas presenciais, com pessoas de 16 anos ou mais em 164 municípios das 27 unidades da federação. O levantamento foi pago pela BGC Liquidez Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais e o grau de confiança é de 95%. O registro no TSE é BR-06682/2022.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *