HojePR

LOGO-HEADER-slogan-675-X-65

28/05/2023



política

Em março, políticos poderão trocar de partidos

 Em março, políticos poderão trocar de partidos

Israel Reinsten

Faltam 20 dias para início janela partidária, período que permitem políticos eleitos de trocarem de partidos. E a previsão é que aconteçam mudanças por causa de arranjos nacionais ou de alianças, em torno dos governadores. No Paraná, alguns partidos como o PSB, PSDB, MDB, o novo União Brasil e PL serão os mais afetados com a migração de deputados estaduais e federais, alguns ganharão corpo e outros vão reduzir de tamanho.


PSB raquitíco

O PSB pode perder toda a sua bancada estadual por causa da possível aliança, em forma de federação entre o PSB e o PT. Por causa disso, já se fala na saída dos deputados estaduais Jonas Guimarães, Tiago Amaral, Alexandre Curi e Artagão Junior. Luiz Carlos Romanelli tem dito conversa com a base para também migrar de partido.


PSD forte

O PSD, partido do governador Carlos Massa Ratinho Junior, deve atrair do PSB, os deputados Tiago Amaral e Artagão Junior. Alexandre Curi e Jonas Guimarães também podem ir ao PSB, mas ambos conversam com o MDB. O partido do governador deve receber os tucanos Ademar Traiano e Paulo Litro. E possível o deputado Galo largue o Podemos , de Sérgio Moro, pelo PSD de Ratinho Junior.


Outras mudanças

Cristina Silvestri, do Cidadania, vai para o PSDB, acompanhando o filho, Cesar Silvestri Filho, o candidato ao governo do Paraná. Mabel Canto deixa o PSC para se tornar tucana.

Requião Filho estuda ir para o PDT ou para o PT, abandonando o MDB. Já se fala na hipótese de haver uma saída da família Lupion do União Brasil, por causa da aliança com o PSL e o crescimento da força da família Francischini no Paraná.

A estimativa é que mais deputados mudem de partidos. O que deve interferir é o acordo nacional em especial a formalização das federações partidárias. Nas federações, os partidos poderão se unir para apoiar qualquer cargo, desde que assim permaneçam durante todo o mandato a ser conquistado, ou seja 4 anos. A federação de partidos vale para eleições majoritárias, bem como para as proporcionais. Quem romper com a federação, seja partido ou político, perderá o direito a fundo partidário, entre outras punições.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *