HojePR

LOGO-HEADER-slogan-675-X-65

29/01/2023



Capital

Vereadoras querem o fim do horário fixo no comércio de Curitiba

 Vereadoras querem o fim do horário fixo no comércio de Curitiba

Um projeto de lei das vereadoras Amália Tortato (foto) e Indiara Barbosa, ambas do Novo, pretende acabar com o horário fixo do comércio de Curitiba. A proposta revoga a lei municipal 7.482/1990, que estabelece o horário de funcionamento externo dos estabelecimentos comerciais e prestadores de serviço de Curitiba.

 

Atualmente, o horário comercial do município para atendimento ao público é das 9h às 19h, de segunda à sexta-feira; e das 9h às 13h nos sábados. Os supermercados, nos setores de alimentação e similares, podem funcionar de segunda à sábado, das 9h às 21h.

 

O projeto das vereadoras do Novo retira estes horários fixos, tornando a abertura e o fechamento dos estabelecimentos comerciais, industriais e prestadores de serviço curitibanos livres, seguindo a lei federal 13.874/2019, que institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica. A proposição ainda revoga o artigo 36 da lei municipal 11.095/2004, que estabelece que os horários de funcionamento do comércio sejam definidos através de ato do Poder Executivo.

 

“Em 1991, a população da cidade era estimada em 1.315.035 habitantes, enquanto que em 2021 o número foi calculado como sendo de 1.963.726 pessoas. O crescimento populacional implica em uma tendência natural do aumento da oferta de serviços, que naturalmente acompanha a diversificação da demanda”, diz a justificativa do projeto.

 

As vereadoras também afirmam que a proposta seria uma forma de tornar a concorrência mais justa, uma vez que existem estabelecimentos – como shopping centers – que possuem uma regulamentação de horário diferente que a do comércio de rua. As autoras ainda destacam a questão da mobilidade urbana, que poderia melhorar com a alternância dos horários dos trabalhadores, evitando a superlotação do transporte coletivo e engarrafamentos nos horários de pico.

 

“A proposição se dá na esteira do que já foi concretizado em outros municípios da região sul, a exemplo de Florianópolis, Porto Alegre, Joinville, Santa Cruz do Sul, Blumenau, entre outros. Em Londrina, um projeto similar está em tramitação. Com a adoção da medida, Curitiba tem a oportunidade de eliminar o atraso que a coloca em situação de desvantagem em relação às demais cidades de porte semelhante, com algumas de menor porte”, justifica a bancada.

 

Caso aprovada pelos vereadores e sancionada pelo prefeito, a proposta se torna lei, entrando em vigor 30 dias após a publicação no Diário Oficial do Município (DOM).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *